Células tronco produzindo dentes naturais

26 abril 2017
Comentários: 0
26 abril 2017, Comentários: 0

Cientistas recriam dentes naturais a partir de células tronco

Dentaduras e implantes estão com os dias contados – Já pensou se, na fase adulta, pudessem nascer novos dentes após perda dos dentes naturais? Então preste atenção: Dentes embrionários são capazes de se desenvolver normalmente na boca adulta. Cientistas esperam que dentaduras sejam substituídas por novos dentes crescidos na mandíbula do paciente proveniente de células tronco.

O que isso significa?

Significa que uma nova técnica de regeneração pode permitir a você um novo conjunto de dentes brancos e perolados, melhores que os naturais. Todos mundo quer um sorriso lindo, mas nem todos nascem com ele, e mais, o tempo, os maus cuidados, genética ou alguns acidentes podem destruir os dentes naturais, sendo eles como são.

 

dentes a partir de células tronco

 

Como seria possível regenerar?

Ainda não é possível, mas pesquisadores estão bem próximos de conseguir a regeneração dental através de células-tronco. Os testes estão sendo feitos com células embrionárias de ratos, mas no futuro visa-se que os dentes poderão ser substituídos a partir de células cultivadas de sua própria boca.

O que são células tronco?

Células tronco tem alto poder regenerativo, elas tem a extraordinária capacidade de se multiplicar e se transformar em qualquer outra célula do corpo sendo muito semelhantes às originais. Elas são especialistas em reparar tecidos, dividindo-se continuamente e produzindo milhares de novas células. Elas ainda, são capazes de se renovar após longos períodos de inatividade.

Quais os avanços nas pesquisas até o momento?

Os cientistas criaram, inicialmente, dentes híbridos, combinando células tronco humanas com células tronco de dentes de camundongos de laboratórios. Essa mistura foi transplantada para os rins de ratos adultos o que resultou no crescimento de dentes, revestidos de esmaltes e com raízes com desenvolvimento viáveis. Dois tipos de células foram usadas, as células epiteliais, retiradas do tecido gengival humano e as células embrionárias dos ratos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *